Categorias Blog Contato
Calcinha Absorvente Bela Gil - Branca e Vermelha

R$86,00

R$77,40

Tamanho
  • PP
  • P
  • M
  • G
  • GG
  • XGG
  • 2XGG
Adicionar ao Carrinho Ecomendar
Especifique seu produto
Estoque Insuficiente

Descrição

Contém:

1 Calcinha Absorvente Bela Gil

Composição:

Interior: 95% algodão, 5% elastano

Recheio: TPU, 100% algodão

Exterior: 88% poliamida, 12% elastano

Uma ideia incrível!

A calcinha absorvente Bela Gil é como qualquer outra calcinha, com apenas uma diferença: ela é capaz de absorver o seu fluxo menstrual e não deixar passar para a sua roupa. Simples assim! Como não pensaram nisso antes?!

  • É mais saudável, uma opção totalmente livre de químicos!
  • Fácil de usar e lavar! É só colocar na máquina!
  • Sustentável, com elas deixamos de descartar 10.000 absorventes ou 150kg de lixo!
  • Ecológica até na embalagem: feita de papel e impressa com tintas de base vegetal.
  • Quebre o tabu! Uma forma de nos aproximar dos nossos ciclos e descobrir que menstruar é natural e saudável.

 “A calcinha absorvente é uma forma prática, gostosa e maravilhosa de se sentir mais feliz como mulher”- Bela Gil

Prepare-se para uma nova relação com o seu corpo, mais empoderadora e libertadora!

Como ela funciona?

A mágica acontece graças ao seu design inteligente. Ela possui camadas de tecidos que a deixam ao mesmo tempo absorvente, impermeável e respirável, capaz de segurar o fluxo menstrual. Esses tecidos são super confortáveis e fininhos, o que faz com que a calcinha absorvente seja super discreta, igual a uma calcinha comum!

Em dias de fluxo leve a moderado as calcinhas absorventes funcionam sem qualquer proteção adicional, acredite! Em dias de fluxo intenso elas atuam como segurança extra ao uso de absorventes e coletores menstruais (diga adeus aos vazamentos!). Conhecendo o seu fluxo você vai descobrir como ela funciona melhor para você! ;)

Usando a Calcinha Absorvente Bela Gil

1- Primeiro uso

As calcinhas absorventes devem ser lavadas antes do primeiro uso. Para atingir a máxima capacidade de absorção, elas devem ser lavadas cerca de 8 a 10 vezes. Você pode usar a sua calcinha após a primeira lavagem, mas lembre-se de que ela ainda não terá atingido a sua máxima capacidade de absorção.

2- Vista-a normalmente

Essa é a maravilha dessa calcinha incrível! Você usa como se fosse uma calcinha comum. Ela é super fininha, confortável e maravilhosamente linda! Você nem vai lembrar que está menstruada!

3- Troque conforme necessidade

O tempo entre as trocas da calcinha absorvente é único para cada pessoa e cada ciclo. A calcinha absorvente Bela Gil é indicada para fluxos leves a moderados. E ela funciona sem nenhuma proteção adicional, acredite! Nos dias mais moderados é provável que você tenha que trocar durante o dia, mas nos dias mais leves você pode passar o dia inteiro com ela e esquecer que está menstruada! Nos dias de fluxo mais intenso elas atuam como segurança extra ao uso de absorventes e coletores menstruais (diga adeus aos vazamentos!).

4- Mantenha a calcinha usada na bolsa impermeável

Mantenha sua calcinha usada em um local limpo até que possa ser lavada (ou deixada de molho). Bolsas impermeáveis são recomendadas, pois elas mantêm a umidade da calcinha, o que torna a lavagem mais fácil depois.

5- Guarde sua calcinha em um local fresco e seco

Ao final do ciclo menstrual, guarde sua calcinha em um local fresco e seco para seu próximo ciclo.

Lavando a Calcinha Absorvente Bela Gil

A lavagem das calcinhas absorventes é super simples e fácil! Não toma 5 minutos da sua rotina diária, acredite! Preparamos um passo a passo bem detalhado para te ajudar nesse processo:

1- Mantenha sua calcinha usada na bolsa impermeável

Antes de qualquer coisa, mantenha sua calcinha usada em um local limpo até que possa ser lavada (ou deixada de molho). Nós recomendamos as bolsas impermeáveis Korui, pois elas mantêm a umidade da calcinha, o que torna a lavagem mais fácil. Lembre-se de que quanto antes sua calcinha for lavada (ou deixada de molho), mais fácil será a limpeza.

2- Lave na máquina ou na mão

As calcinhas absorventes podem ser lavados na máquina junto com as roupas e você pode utilizar a quantidade de sabão recomendada pelo fabricante. Você pode optar por deixá-la de molho por meia hora e/ou remover o excesso de sangue em água fria antes de colocar na máquina. Você também pode lavar sua calcinha à mão (durante o banho mesmo, que tal?), apenas lembre-se de tirar bem o excesso de sabão. Apenas a lavagem é o suficiente para desinfetar suas calcinhas, mas se desejar, você pode mergulhá-las em uma solução de óleo de melaleuca (tea tree oil), eucalipto ou qualquer outro desinfetante leve. O sol também tem poder desinfetante natural.

3- Seque ao sol

Seque seu calcinha ao sol do lado do avesso, assim você preserva a estampa e deixa ela sempre bem sequinha e com aquele cheirinho de sol! Em dias chuvosos você pode secar também a sombra, mas é importante ter certeza de que ela está bem seca antes de guardar. Nunca passe a ferro.

Atenção: Você pode utilizar sua calcinha após a primeira lavagem, mas lembre-se que ele só vai atingir a máxima capacidade de absorção depois de cerca de 8 a 10 lavagens.



Como medir: Em posição em pé com os pés alinhados ao quadril, passe a fita métrica ao redor da parte mais larga do quadril.
Medidas: Se suas medidas estiverem no final da variação, escolha um tamanho acima.
3UYdP5LOmvzEBF3mAymYTDad1MLsuM1Eidwj4INR
Entrar Esqueceu sua Senha?
Cadastrar
Voltar Cadastrar
Acessório
Beleza
Biodegradáveis
Cuidados Pessoais
Utensílios
Categorias Blog Contato
Categorias
Acessório
Beleza
Biodegradáveis
Utensílios
Cuidados Pessoais
Acessório
Ecobag Composteira
Biodegradáveis
Escova de Bambu
Utensílios
Ecobag Copo Reutilizáveis Cordinha Meu Porcento
Cuidados Pessoais
Coletor Mestrual Absorvente de Pano Absorvente Mini Absorvente Noturno Absorvente Normal Calcinha Absorvente Bolsa Impermeável


Pelo equilíbrio entre a humanidade e o planeta...


Como uma forma de despertar nas pessoas questionamentos acerca do atual modelo de vida que é pregado por aí, em que tudo é descartável, desde pessoas, momentos e, principalmente, coisas, nasceu a Meu Porcento.

A Meu Porcento é um movimento de pessoas focadas em trabalhar a transformação interior, buscando a integração e conexão com todos os seres, evoluindo assim na vida, na humanidade e na consciência em si.

Vamos diminuir nosso impacto ao meio ambiente, caminhando juntxs por um futuro onde a natureza e a vida humana estejam em harmonia?

A parte de cada um se faz necessária e tem um efeito muito maior do que imaginamos.


meu porcento / apenas o que importa




Fique por dentro!

Hoje, 14 de agosto, dia mundial de combate à poluição, carregamos conosco a responsabilidade de cuidar do nosso maior presente: o meio ambiente. Atitudes simples podem ser grandes aliadas para o cumprimento dessa nossa missão diária, que é a de deixar o planeta Terra cada dia mais limpo, para que as próximas gerações tenham um futuro digno!

Você sabia que o Google vai mapear a poluição do ar pelo street view? Os carros do Google Maps Street View serão equipados com um sensor da Aclima que fará capturas instantâneas de dióxido de carbono, monóxido de carbono e dióxido de nitrogênio, entre outras substâncias. Essas informações poderão ser combinadas com outros dados e usadas pelos cientistas para desenvolver modelos de qualidade do ar. Desde 2015, a iniciativa já percorreu mais de 160 quilômetros coletando mais de um bilhão de dados de diferentes pontos e mapeando a qualidade do ar nas comunidades de Los Angeles, da Baía de São Francisco e de Central Valley, produzindo um dos maiores conjuntos de informações sobre poluição atmosférica urbana já levantados.

E por que isso é tão importante? De acordo com a OMS, 90% da população mundial respira ar poluído, o que acarreta na morte de 7 milhões de pessoas todos os anos. No Brasil, a média é de 50 mil óbitos por doenças desencadeadas pela poluição do ar todos os anos. E o pior, conforme informações disponibilizadas pela Plataforma da Qualidade do Ar, iniciativa da ONG Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), o Brasil não apenas está exposto a micropartículas danosas à saúde como também apresenta uma falha grave em relação ao monitoramento dos poluentes: na maior parte do país, a análise da poluição do ar não é devidamente calculada.

Somente quatro estados fazem o monitoramento dos poluentes conhecidos como PM2.5 (material finíssimo de tamanho de 2,5 milionésimos de metro): Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, e Espírito Santo, sendo que somente nesses dois últimos o MP2,5 é regulado. O problema, no entanto, não se resume à partícula. Dos 27 estados, apenas nove realizam algum tipo de monitoramento da qualidade do ar.

A boa notícia é que, recentemente, no Acordo de Paris, 195 países se comprometeram a manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais, com esforços para limitar esse aumento em 1,5°C e, assim, evitar as mudanças climáticas. Para isso, esses países precisam reduzir a quantidade de gases de efeito estufa (GEE) que liberam na atmosfera. Esses gases, que são emitidos, por exemplo, nas chaminés de fábricas, no desmatamento de florestas ou nos escapamentos de veículos, absorvem e retêm calor e alteram as temperaturas do planeta.

O World Resources Institute (WRI) elaborou, com referência dos anos de 1850 até 2016, um gráfico que mostra que o mundo viveu um aumento constante nas emissões de gases de efeito estufa ao longo desse período, apenas com algumas interrupções em momentos históricos importantes, como a Grande Depressão dos Estados Unidos, em 1930, e o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Desde o meio do século 19, os Estados Unidos se mantiveram como o país que mais emite gases de efeito estufa por ano. Essa realidade só mudou em 2005, quando a China, movida por uma forte industrialização baseada na queima do carvão, ultrapassa os americanos. Rússia (e a antiga União Soviética), Índia, Alemanha e Japão também são países que aparecem entre os maiores emissores.

O Brasil aparece no ranking apenas no final do gráfico, quando se torna um dos maiores emissores, no final da década de 1980. Em 2016, o último ano da série histórica coberta pelo gráfico, o Brasil figura como o sexto maior emissor anual, mostrando a importância e a necessidade de o país adotar políticas de baixo carbono. Nos cálculos mais atuais, considerando os anos mais recentes, que não entraram no gráfico, o Brasil passa a ser o sétimo maior emissor.

Nós da Meu Porcento estamos prontos para esta mudança, social e ecológica, que é urgente e extremamente necessária para nossa sobrevivência! E você? Faça parte deste movimento e nos ajude a construir e propagar uma consciência ecológica! Comece, você pode, o dia é hoje, a hora é agora! Vamxs juntxs?

O lixo que produzimos diariamente pode levar milhares de anos para desaparecer da natureza, causando um impacto catastrófico no nosso planeta.

Para garantirmos um mundo mais sustentável, é necessário consumirmos corretamente, com consciência e sem desperdícios. Isto não significa nos privarmos de uma vida de conforto, é possível vivermos em harmonia com o planeta, apenas considerando as consequências dos nossos atos.

Para atingirmos a sustentabilidade ambiental e garantirmos um futuro ecologicamente correto, devemos por em prática os 5 R´s da sustentabilidade, quais sejam:

REPENSE – É muito importante repensar hábitos de consumo e descarte. Será que o que você está comprando é algo de que realmente necessita? Será que algumas vezes você consome por impulso e acaba cometendo desperdício? A compostagem, inclusive, é uma foram maravilhosa de se repensar a forma como descartamos lixo orgânico e o melhor, é bem tranquilo fazer em casa ou até mesmo em apartamento.

REDUZA – Reduzir, hoje em dia, com essa cultura de consumo exacerbado, é, de longe, essencial. Nós temos coisas demais, de um modo geral, e precisamos aprender a ter apenas o que usamos, assim como precisamos aprender a usar tudo aquilo que temos. Temos a obrigação de garantir que toda a energia usada para a criação de produtos e serviços seja “compensada”.

REUSE – Reutilizar permite que o gasto de energia para produção seja desprendido uma única vez. Por isso é tão importante banir tudo que tenha vida útil única, como copos descartáveis e absorventes. Sem contar que um produto que “estragou” ou perdeu sua função, pode virar outro. Aquela camiseta rasgado pode virar uma capa de almofada, um forro para uma caminha de cachorro, ou até filos de malha, já pensou sobre isso?

RECUSE – Recusar é importante, pois tudo aquilo que não adquirimos, não vira lixo. Nós precisamos aprender a dizer não para tudo aquilo sem fundamento, como contas enviadas pelos correios, segunda via de cartão, plásticos como “porta miúdos”, brindes, panfletos e afins. O não é essencial para a sobrevivência, nossa e do planeta, e você não será uma pessoa pior por dizê-lo, pelo contrário, negar é uma forma de conscientizar aqueles a nossa volta. Já imaginou o impacto que podemos causar ao negar um brinde de uma grande empresa?

RECICLE – A reciclagem no Brasil ainda é muito deficitária. Nós conseguimos reciclar cerca de 3% de todo o lixo produzido e essa taxa precisa ser aumentada. Entretanto, reciclar, não é mais a solução das soluções. Durante seu processo, gasta-se muita energia, muita água, muitos químicos e muito esforço dos envolvidos, seja de transporte ou de tempo. Ademais, não necessariamente, conseguimos transformar o material reciclado em outro exatamente igual, de mesmo valor. O que normalmente acontece é o chamado “downcycling”, onde se há perda no material de valor, até que seja, finalmente, descartado em aterros.

Nossas escolhas são reflexos de quem nós somos de verdade. Seja consciente!

Vamos juntxs?

É com grande pesar que no ano vigente, completamos um novo record! Qual? Dessa vez, o dia de sobrecarga da Terra aconteceu no dia 29 de julho, praticamente na metade do ano. Foi nesta data que completamos a utilização de todos os recursos providos pelo planeta, que deveriam ser utilizados ao longo de todo o ano. Ou seja, utilizamos mais recursos do que mãe Terra pode regenerar em 12 meses! 

Dia da Sobrecarga da Terra é calculado anualmente pela organização científica Global Footprint Network. Para se chegar a essa data, a referida organização calcula o número de dias exigidos da biocapacidade da Terra (a quantidade de recursos ecológicos que o planeta é capaz de gerar naquele ano) para atender à Pegada Ecológica da humanidade. O restante do ano corresponde à sobrecarga, que é causada por quatro fatores principais: 1) o quanto nós consumimos; 2) com que eficiência os produtos são feitos; 3) quantas pessoas existem no planeta; e 4) quanto os ecossistemas da natureza são capazes de produzir.